MARATONA DANATUREZA: Competição premiará veículo que fizer maior distância com um litro de gasolina

Percorrer mais de 750 km consumindo apenas um litro de gasolina. Essa é a expectativa dos estudantes de engenharia participantes da Maratona DANAtureza, competição que vai premiar a equipe que conseguir a maior distância com a menor quantidade de combustível. Promovida pela Dana e com apoio do Campo de Provas da Cruz Alta, da General Motors, a prova vai reunir 11 equipes de diversas universidades do País, nos dias 30 e 31 julho, em Indaiatuba (SP).

Será a primeira vez que esse tipo de evento é realizado no Brasil. Segundo Luciano Pires, diretor de Comunicação Corporativa da Dana, a Maratona DANAtureza é parte da parceria tecnológica da empresa com a FEI (Fundação Educacional Inaciana) e uma excelente oportunidade de incentivar jovens engenheiros a buscar soluções para as questões ambientais. “Despertamos neles o interesse pelo desenvolvimento de novas tecnologias e de formas mais aerodinâmicas, visando a redução do consumo de combustível e das emissões de poluentes”, explica Pires.

De acordo com o professor Ricardo Bock, coordenador de Engenharia Mecânica Automobilística da FEI e orientador de quatro equipes participantes, a Maratona DANAtureza seguirá quase as mesmas regras da Shell Eco-Marathon, realizada há mais de 20 anos na Europa. Entretanto, na prova brasileira, serão permitidos apenas motores de ciclo Otto a gasolina. Os carros de competição, que podem ter três ou quatro rodas, são projetados e construídos pelos estudantes, segundo o regulamento da CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo).

As equipes de universitários, formadas por até sete integrantes e orientadas por um professor responsável, realizam o projeto técnico utilizando conceitos de desenho, matemática, física e informática. Durante o trabalho, os alunos devem levar em conta a otimização da combustão, a redução dos atritos no motor, a determinação das melhores relações da transmissão, o ajuste perfeito da pressão dos pneus, a aerodinâmica e a redução do peso.

O material e o tipo de construção dos protótipos são livres. Porém, os carros não devem conter arestas agudas ou pontas aparentes, para evitar possíveis ferimentos nos pilotos. A transmissão, a preparação do motor e seu deslocamento volumétrico (cilindrada) também são livres, mas é obrigatória uma tubulação de exaustão para fora do veículo. O motor de partida não deve ter torque suficiente para provocar o deslocamento do protótipo.

Regras da competição

A Maratona DANAtureza tem duração de dois dias e será realizada na pista circular do Campo de Provas da Cruz Alta. No primeiro dia, acontecem as avaliações de segurança, originalidade e design. A prova prática terá duração de cerca de duas horas e será cumprida no dia seguinte. Os carros precisarão completar quatro voltas na pista de 4,3 km e largarão com intervalos de um minuto.

Antes da corrida, os minitanques de todos os carros são abastecidos com 250 cm³ de gasolina, sob a fiscalização de um comissário da CBA. A temperatura também é medida para corrigir a dilatação do combustível. No final do percurso, a quantidade de gasolina restante é aferida, considerando-se o peso e não o volume pois, como os protótipos chegam a atingir temperaturas de até 50°C, o combustível pode dilatar-se. Em seguida, aplicando uma regra de três, calcula-se o número de quilômetros que o carro percorreria com um litro.

Durante toda a competição, o papel do piloto é fundamental. Ele deve ser o mais leve possível e dirigir na velocidade que permita o menor consumo e dentro dos limites mínimos estabelecidos no regulamento. Também precisa escolher o melhor trajeto, limitando as frenagens e desligando o motor para aproveitar o impulso e o perfil da pista.

Parceria Dana/FEI

A Maratona DANAtureza é uma das ações que nasceram da parceria tecnológica firmada entre a Dana e a FEI, para incentivo a novos projetos. Além de promover a competição, a sistemista está patrocinando a construção de um veículo do tipo streamline (superaerodinâmico), para estabelecimento do recorde brasileiro de velocidade. Desenvolvido pelos alunos do curso de Mecânica Automobilística da faculdade, o protótipo será equipado com motor 1.0L e deverá superar a marca de 300 km/h.