Dana apoia o primeiro leilão beneficente do Museu Roberto Lee

Após patrocinar a exibição dos documentários do cineasta Jean Manzon sobre o início da indústria automobilística brasileira na Expo Roberto Lee Classic 2013, a Dana reforça o seu apoio ao mais antigo museu de automóveis do Brasil com a doação de uma série de produtos culturais para serem arrematados no primeiro leilão da entidade.

Realizada no site Mercado Livre, entre 3 de fevereiro e 4 de abril de 2014, a iniciativa pretende reunir fundos para a compra das peças necessárias ao restauro do carro mais importante do acervo, o único Tucker Torpedo presente na América Latina. Fabricado nos Estados Unidos em 1948, o modelo revolucionário foi imortalizado pelo filme de Francis Ford Coppola.

Para o leilão, a Dana doou livros “Fitti 1 – O Fórmula 1 Brasileiro” do renomado jornalista Lemyr Martins, kits multimídia sobre a trajetória da equipe e DVDs do projeto “Jean Manzon e a Indústria Automobilística Brasileira”. O museu também disponibilizará livros de militaria. Os lotes podem ser consultados no site www.museurobertolee.com.br.

“Estamos muito empolgados com essa ação. O Tucker é um ícone automotivo, usava nossas soluções de tração e, por pouco, não foi produzido no Brasil. Toda essa história está presente no exemplar do museu. Apoiar o seu restauro é resgatar mais uma página sobre a criação da nossa indústria”, destaca Luis Pedro Ferreira, diretor de relações corporativas da Dana.

O Museu Paulista de Antiguidades Mecânicas

Criado em 1963 por Roberto Eduardo Lee, pioneiro do antigomobilismo nacional e fundador do Veteran Car Club, o Museu Paulista de Antiguidades Mecânicas foi o primeiro do gênero no país e, até hoje, é a única coleção de veículos tombada pelo patrimônio histórico. Nos tempos áureos, atraía milhares de pessoas para a Fazenda Esperança, em Caçapava (SP).

No prédio principal, ficavam em exposição mais de 50 automóveis. Em sua maioria, modelos clássicos da Alfa Romeo, Auburn, Bugatti, Cadillac, Cord, Delage, Hispano-Suiza, Mercedes-Benz, MG, Packard e Rolls-Royce. O museu ainda contava com motos, miniaturas, motores aeronáuticos, diversos itens de memorabilia e até uma locomotiva a vapor.

Após sofrer décadas com o abandono e vandalismo, em decorrência da morte prematura do fundador em 1975, o acervo acabou doado à prefeitura em 2011. Desde então, poder público, empresas e aficionados somam forças para recuperar os carros. Entre as maiores raridades, estão o Tucker Torpedo, o Fiat Grand Prix de Chico Landi e o Packard Roadster Dietrich.

Provisoriamente, o museu está instalado no Centro Cultural de Caçapava (Av. José de Moura Resende, 474). Visitas gratuitas podem ser agendadas pelo telefone (12) 3652-9222 ou e-mail museurobertolee@cacapava.sp.gov.br. Os interessados podem colaborar com os trabalhos ou seguir as novidades no Facebook, com acesso pelo endereço www.museurobertolee.com.br.

O Tucker de Caçapava

Poucos automóveis tiveram uma trajetória tão atribulada como o Tucker Torpedo do museu de Caçapava. Fabricado em 1948, foi a unidade 35 de 51 montadas. Chegou ao Brasil com o distribuidor da marca. Após falir nos Estados Unidos, a empresa pensou em instalar-se no país e até criou um projeto exclusivo, o Carioca. Mas a morte do fundador encerrou os planos.

O carro acabou rifado e passou por vários donos nos anos seguintes. Modelo revolucionário, com motor traseiro aeronáutico, câmbio automatizado, suspensões independentes, farol para iluminar as curvas e interior seguro para os ocupantes, sofreu com a falta de peças (foi o único exportado) e acabou recebendo uma mecânica completa de Cadillac em 1955.

Roberto Lee comprou o veículo no final da década de 1960, adquiriu várias peças originais e iniciou os contatos com o Tucker Club of America para realizar uma restauração completa. Mas não teve tempo de concretizar o plano. Agora, passados mais de 40 anos, o desafio dos gestores e parceiros do museu é transformar esse antigo sonho em realidade.