skip to Main Content
Humanização Da Saúde
Humanização da saúde com o Programa de Acompanhamento Médico da Dana

Uma secretária executiva tem que ausentar-se do trabalho porque o filho pequeno bateu a cabeça e foi encaminhado à emergência de um hospital particular que atende pelo seu convênio. Depois do atendimento, a criança precisaria ficar em observação. Mãe e filho aguardavam em um ambulatório, a mãe sem as informações sobre os resultados já começava a preocupar-se. É nesse momento que o Programa de Acompanhamento Médico da Dana faz toda a diferença. Um profissional de saúde chega para acompanhar essa mãe, indo em busca das informações sobre o diagnóstico diretamente com a equipe médica e, em seguida, agiliza a internação da criança. Esse é apenas um exemplo do atendimento humanizado que acolhe e entende o paciente para promover a saúde.

O Programa de Acompanhamento Médico da Dana no Complexo de Gravataí (RS) tem uma abordagem moderna e inovadora, na qual cada colaborador conta com um médico de referência que, por conhecer o paciente, dá suporte a outros especialistas e orientação aos pacientes.

Tanto no Serviço de Atendimento Médico da Dana (SAM) como na rede conveniada os serviços incluem atendimento domiciliar, contatos telefônicos regulares, consultas e exames de rotinas são apenas alguns dos diferenciais. A equipe de médicos e enfermeiros utiliza todas a tecnologias disponíveis para implementar um conceito de atendimento humanizado na promoção da saúde. Um dos diferenciais está na própria avaliação sobre a real necessidade de exames e procedimentos médicos, ajudando o colaborador e seu familiar a entender cada passo. Isso serve de apoio, inclusive, na superação de momentos críticos ou de maior gravidade.

No tocante à saúde ocupacional, a Dana atende ao Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PMSO), documento legal proveniente da NR7 do Ministério do Trabalho. “A Lei estipula um mínimo, mas não um máximo. Essa é a nossa premissa”, afirma a Médica do Trabalho para o site de Gravataí, Dra. Carmen Kauer, Coordenadora de Medicina do Trabalho.

Para aprimorar ainda mais e unificar o gerenciamento, com a otimização de recursos a fim de alcançar melhores resultados, em 2012, foi criado o Comitê de Saúde Brasil Dana, formado por representantes de alta Direção, Operações, Recursos Humanos, Finanças e medicina Ocupacional.

O objetivo era entender as necessidades e buscar alternativas para mitigar o elevado custo, inerente ao serviço de saúde, sem perder qualidade. Outro era a previsibilidade dos processos, isto é, entender as causas raiz das ocorrências. A Dana custeia a gestão de saúde por meio de um sistema de autogestão, o Danamed e já havia identificado que muitos dos custos eram gerados não pelo colaborador, mas por seus dependentes.

Desde 2012 o Comitê vem atuando na implementação de mudanças dos controles administrativos, bem como no planejamento de ações de longo prazo. Essa atuação deu origem a um Plano Global de Ação, com a diretriz de prestar o atendimento de saúde da melhor maneira com um custo competitivo. Esse modelo permite um trabalho mais amplo na promoção da saúde que não vê distinção entre a medicina ocupacional e assistencial no cuidado e promoção da saúde, tanto do grupo de funcionários da Dana, quanto de seus familiares.

“Acreditamos que não se pode olhar para a saúde apenas com o objetivo de redução de custo, é preciso haver equilíbrio entre os dois fatores”, afirma Paulo Missiaggia, gerente financeiro e líder do Comitê Saúde Brasil.

Reconhecimento

Esta iniciativa foi reconhecida no Prêmio Proteção Brasil 2016, na categoria Qualidade de Vida no Trabalho, vencedor prata.


Veja mais: Gente cuidando de gente