Contação de Histórias

Contação de Histórias

Onde quem conta um conto aumenta um ponto

Contação de Histórias

Você sabia que existe diferença entre ler e contar uma história? Se na Mediação de Leituras é preciso ser fiel ao texto dos livros, na Contação de Histórias a fantasia e o improviso são convidados especiais. As histórias contadas podem ser os clássicos da literatura infanto-juvenil, fatos reais – ou imaginários! – que aconteceram com o mediador e seus amigos ou até mesmo lendas e causos inventados por avôs e avós de tantas gerações que já se tornaram referências costumeiras no repertório dos contadores. Aqui, qualquer semelhança com o provérbio “Quem conta um conto aumenta um ponto” não é mera coincidência. O importante é colocar um tempero diferente para instigar a curiosidade e envolver as crianças – e trazê-las para o mundo dos livros, claro!

E é isto que acontece nas atividades de Contação de Histórias promovidas pelo “Projeto Agenda Cultural – Histórias transformando o futuro”, apoiado pela Dana em parceria com a Associação de Apoio à Criança em Risco (ACER), situada em Diadema, São Paulo. Um dos objetivos do projeto é estimular jovens da própria comunidade a participar de formações para desenvolver e monitorar estas atividades em seis escolas municipais da cidade. Além de técnicas de contação, as formações abordam temas como linguagem adequada, postura, comportamentos desejáveis e, principalmente, a contribuição da Contação de Histórias para a construção do conhecimento e formação de jovens leitores críticos. A missão é louvável e, sobretudo, possível. Ainda bem! Por isso a importância de tornar a atividade interessante, prazerosa e muito divertida.

Gilbert Bijoux, que assessora a instituição na elaboração de projetos e mobilização de recursos, explica o quanto o monitor pode explorar sua criatividade para dar vida à história. “Na Contação de Histórias, o monitor pode utilizar expressões vocais e faciais, improvisação e interpretação. Há uma teatralização que envolve o monitor, as crianças e a história, onde todos ficam integrados. A contação também permite o uso de música, fantasias e adornos. Todas as ideias são muito bem-vindas para enriquecer a atividade”, destaca o assessor.

Micaelly e os monitores Amanda, Felipe e Jennifer Imagem: acervo ACER
Micaelly e os monitores Amanda, Felipe e Jennifer
Imagem: acervo ACER

Volte a cena. Você disse fantasias? Opa, os monitores gostaram da ideia! E a Dana também. Com recursos do projeto apoiado pelo ProAC, foram compradas fantasias e objetos para deixar a Contação de Histórias mais lúdica e o ambiente mais confortável e atrativo. Uma novidade que deixou a monitora Micaelly Oliveira Monteiro bastante animada. A estudante de 15 anos, aluna do 1º ano do Ensino Médio da Escola Amadeu Odorico de Souza alegra-se ao falar da experiência. “As fantasias interpretam as histórias que são contadas, deixam tudo divertido, diferente. Estou aprendendo muitas coisas novas sobre contação e como interagir com as crianças”.

Quem também está encantado com tantas possibilidades é o estudante Kennedy Jhonson Celestino Araújo, de 17 anos, aluno do 3º ano do Ensino Médio da Escola Simon Bolívar. “Através das fantasias e da nossa interpretação é possível mostrar para as crianças um novo mundo, o da leitura, incentivar as crianças a ler, mostrar que existe outra realidade” comemora.

Mesa farta: livros, cultura e um futuro melhor Imagem: acervo ACER
Mesa farta: livros, cultura e um futuro melhor
Imagem: acervo ACER

Outra realidade é mesmo possível, Kennedy! E começa a existir quando os bichos da fábula “O Macaco e a Onça”, uma das preferidas dos leitores mirins de Diadema – ou seriam da floresta encantada? – planejam dar uma festa e a onça, aquela danada, resolve convidar o macaco. Ela pensava num jeito de almoçá-lo, mas o macaco, esperto como ele só, conseguiu mudar o cardápio e os rumos desta história.

Monitores e crianças, onça e macaco, personagens originais e outros tantos inventados, todos convidados para uma festa que, com tantos frutos e futuros – ué, não seriam comes e bebes? –, não tem hora para acabar.

Quer saber mais?
Abram-se as cortinas, a imaginação vai continuar! Clique aqui e conheça os personagens que transcendem a realidade e convidam a embarcar nas divertidas histórias do Teatro de Bonecos.

ARTIGOS SEMELHANTES

Jovens Monitores

Mediação de Leituras