Carlos

Guardiola Mascia

Ao todo, foram 32 anos de atuação em diversas áreas, do chão de fábrica à gerência na Dana América Latina. Durante este tempo, uma só certeza: muitos desafios memoráveis e amizades que nasceram do relacionamento profissional de Mascia, que acompanhou passo a passo a história de crescimento e sucesso da companhia.

Essa trajetória iniciou em 7 de dezembro de 1987 quando Mascia ainda estudava Engenharia Elétrica na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). “Um colega, o Gabriel Waxemberg, que até hoje trabalha na Dana nos Estados Unidos, trabalhava na Divisão de Juntas Universais e me avisou que tinha surgido uma vaga de estágio na Manutenção da Forjaria. Ele me levou pra conhecer a empresa, fiz a entrevista e não tive nem chance de responder – “no dia seguinte começaria como estagiário na manutenção da Forjaria”, lembra, aos risos. Ele achou que duraria pouco tempo a experiência, mas acabou se apaixonando pelo “espírito albariano” – “a empresa era uma família, uma escola, sempre foi excelente trabalhar na Dana, desde o começo”, reforça.

Mascia permaneceu como estagiário cerca de 1 ano e meio, até ser efetivado como Analista de Manutenção. “Ganhei responsabilidades e comecei a tomar novas decisões, iniciando também algo que seria uma constante em minha carreira: a busca e o gosto por novos desafios. Foi assim que comecei a me interessar pela área de Qualidade e pela ISO 9000”, afirma. Para ele, esse foi o diferencial: olhar sempre além do que ele fazia no momento. “Poderia ter ficado somente na Manutenção, pensando no meu cotidiano e suas atividades regulares, mas sempre quis olhar para outros processos e entender como funcionavam para poder colaborar. Assim, fui convidado para ser o Coordenador da ISO na Divisão de Cardans”, relata. Era uma época em que toda a empresa queria saber mais sobre o assunto, em 1995, e foi uma conquista marcante para a carreira de Mascia. Da Coordenação da ISO, Mascia seguiu trabalhando na Qualidade, no DQLP. “Era a época da implantação de novos sistemas de gestão ambiental, de gestão da Qualidade – QS9000- em outras plantas da Dana -. Comecei a viajar muito e conhecer outras fábricas da empresa. Ocupei essa função até 2004 e trabalhei em todas as Danas da América do Sul – “um período muito interessante na minha carreira”, diz. Também neste período, de 2001 a 2002, Mascia ficou 1 ano trabalhando na Dana Venezuela, para obter a certificação ISO14001 das 11 fábricas que a Dana tinha lá, num momento de turbulência econômica e política daquele país. “Vivi 1 ano numa cultura totalmente diferente, num momento desafiador. Foi muito enriquecedor”, diz.

Em 2004, o Julio Oliveira, que era Diretor de Compras Corporativo na época, convidou Mascia para trabalhar como gerente na Engenharia da Qualidade de Fornecedores (EQF) para toda a América do Sul, respondendo a um Diretor nos USA. “Minha função era desenvolver os fornecedores produtivos da Dana na região para todas as Danas do mundo, correr atrás da solução de problemas de produtos e processos destes fornecedores. Viajava muito – USA, Colômbia, Venezuela, Argentina, Uruguai, Diadema, Campo Largo, Sorocaba… E foi um aprendizado fantástico para a minha carreira, conheci uma infinidade de novos processos e produtos fora da empresa – liderando várias equipes multiculturais, cada uma localizada em seu país”, diz. Foram 5 anos e meio gerenciando o EQF, até o início de 2010.

Em seguida, Mascia foi resolver processos de Footprint Optimization, onde, como diz o nome, “otimizava a localização dos processos na Dana de uma maneira holística, onde melhor este processo se encaixava”. Ficou durante 1 ano com o Nelson Wagner fazendo isso.

Seu próximo desafio profissional foi um verdadeiro “retorno ao lar”: Mascia voltaria à Forjaria, trabalhando com Roberto Wolfart (mais conhecido como “Taffarel” dentro da empresa), para atuar como Gerente de Manufatura da Forjaria. “Foi simplesmente fantástico voltar pra lá em outubro de 2010, neste novo momento da minha carreira, cuidando da Manufatura, Manutenção e Matrizaria, gerenciando a parte operacional. Mascia atuou nessa posição até novembro de 2019, quando acabou seu ciclo na Dana. “Só tenho boas lembranças – tudo o que tenho, o que vivi e aprendi profissionalmente devo à Dana. Não tem nada que teria feito diferente. Fiz minha carreira e muitos amigos lá dentro”.

Casado com Andréa Mascia, tem 2 filhos: Marina, de 26 anos e Lorenzo, de 17. Apaixonado pelo seu time do coração, o Grêmio, vai a todos os jogos com o filho na Arena. Também tem como hobby usar suas ferramentas, como bom engenheiro, e fazer pequenas manutenções e invenções em casa. “Fiquei feliz por ser convidado a contar um pouco da minha história profissional nesse projeto dos Jubilados, que é a cara da Dana – porque, mais do que tudo, as pessoas são o coração da Dana. A empresa sempre teve esse lado muito forte, muito desenvolvido, de pensar nas pessoas que fazem seus processos”, conclui.

IMG_1585

“Fiquei feliz por ser convidado a contar um pouco da minha história profissional nesse projeto dos Jubilados, que é a cara da Dana – porque, mais do que tudo, as pessoas são o coração da Dana. A empresa sempre teve esse lado muito forte, muito desenvolvido, de pensar nas pessoas que fazem seus processos”.

[fbcomments]