Nei Lisboa

Nei Lisboa

Pra viajar no cosmos não precisa gasolina

Nei Lisboa. Imagem: Marcos Massa

O sucesso das duas apresentações rendeu um bis memorável no ano seguinte. Em março de 2002, o Theatro São Pedro lotou nos dois concertos da Orquestra de Câmera da Ulbra com um convidado mais do que especial para os gaúchos: Nei Lisboa. O compositor porto-alegrense transpôs para o palco todo o prazer de ver suas melodias influenciadas pelo folk dos anos 70 serem devidamente emolduradas pelas cordas da orquestra. Em novembro de 2003, foi a vez da Sala do Leopoldina Juvenil receber a poesia dos versos de Nei.

O músico não poupou elogios ao projeto. Abram-se aspas para os ditos de Nei: “Minha experiência com os Concertos Dana foi sempre a melhor possível. A conjugação da atmosfera mágica de uma orquestra com o calor do trabalho e do público de música popular produz momentos de inesquecível beleza e harmonia, que terei sempre guardados como uma das mais enlevantes e enriquecedoras etapas na minha vida musical. Desejo que esses trabalhos e parcerias prossigam por muitos e muitos anos, com a abrangência, a competência profissional e o brilhantismo que os têm marcado como iniciativa de singular importância para a cultura do Rio Grande do Sul e do Brasil”.

Precisa dizer mais alguma coisa?