Operações da Dana nos EUA ajuízam pedido de recuperação judicial no Capítulo 11 da Lei de Falências

Todas as unidades da Dana continuam operando normalmente; Empresa obtém junto a banco Compromisso de Financiamento DIP de US$ 1,45 bilhão.

A Dana Corporation anunciou na sexta-feira, 3 de março, que, a fim de enfrentar as dificuldades financeiras e operacionais que vêm comprometendo seu desempenho, a empresa e 40 de suas subsidiárias instaladas nos Estados Unidos entraram com pedidos voluntários de reorganização nos termos do Capítulo 11 da Lei de Falências dos Estados Unidos. As subsidiárias da Dana na América do Sul, Europa, Ásia-Pacífico, Canadá e México não estão incluídas no pedido de reorganização e continuam operando normalmente. Os pedidos foram ajuizados junto à Vara de Falências do Distrito Sul de Nova York.

Empresa obtém compromisso de financiamento DIP de US$ 1,45 bilhão

Para financiar a continuidade de suas operações durante a reestruturação, a Dana conseguiu garantia de financiamento de US$ 1,45 bilhão em regime DIP (debtor-in-possession, ou com permanência do devedor na administração do negócio em recuperação) junto ao Citigroup, Bank of America, N.A., e JP Morgan Chase Bank, N.A. Sujeito a aprovação judicial, o recurso de crédito DIP, que substitui os recursos anteriores da empresa de crédito rotativo de US$ 400 milhões e securitização de contas a receber de US$ 275 milhões, será usado para as necessidades normais de capital de giro da empresa, incluindo salários e benefícios de funcionários, pagamentos de fornecedores e outras despesas operacionais incorridas durante o processo de reorganização, pagamentos de fornecedores e outras despesas operacionais incorridas durante o processo de reorganização.

A Dana vem enfrentando uma queda continuada de faturamento em função da diminuição do market share e dos níveis de produção de seus principais clientes do mercado americano, juntamente com os fortes aumentos dos preços de commodities e energia, que excederam muito as economias de custo que a empresa foi capaz de realizar. A situação financeira geral do setor, aliada à incapacidade da Dana de renovar ou expandir suas linhas de crédito, limitou de maneira significativa a liquidez da empresa.

Dentro desse quadro, a empresa concluiu, após consultas intensas com sua assessoria, que os seus interesses e os interesses de seus credores, funcionários, clientes, fornecedores e comunidade em que opera nos Estados Unidos seriam mais bem atendidos por meio de uma reorganização nos termos do Capítulo 11 da Lei de Falências dos EUA.

A Dana apresentou pedidos iniciais (“First-Day Motions”) à Vara de Falências de Nova York com o objetivo de assegurar a continuidade das operações da empresa sem interrupções. Os pedidos ajuizados pretendem garantir que a empresa possa continuar pagando seus funcionários e fornecedores e manter ininterrupta a entrega de produtos e serviços para seus clientes.

Um passo necessário e responsável para alcançar um futuro estável e lucrativo

Nas palavras de Michael J. Burns, Presidente do Conselho e CEO da Dana, “o processo previsto no Capítulo 11 dá à empresa a oportunidade de reorganizar o negócio de forma abrangente, tanto financeira quanto operacionalmente. Será uma mudança fundamental e não apenas uma melhoria incremental. O Capítulo 11 nos permite continuar com as operações comerciais normais enquanto reestruturamos a dívida e outras obrigações e melhoramos a performance.

“Queremos esclarecer a todos – clientes, fornecedores, funcionários e comunidades – que a Dana está aberta e trabalhando normalmente”, acrescentou. “E, portanto, nossos clientes podem continuar confiando na Dana e na qualidade de seus produtos – entregues no prazo e dentro das melhores especificações do setor.

“Esta é uma decisão extremamente difícil, porém necessária e responsável, que nos dará tempo e a oportunidade de fortalecer nosso desempenho e conseguir uma recuperação firme”.

Michael J. Burns afirmou que a Dana pretende prosseguir com seus planos anteriores de desinvestimento e reestruturação, que incluem a venda de diversas operações secundárias, o fechamento de diversas instalações e mudança da produção para locais com custos mais baixos. Além disso, a Dana continuará tomando medidas para reduzir custos, aumentar a eficiência e melhorar a produtividade.

Outras informações

A Dana registrou ativos totais de aproximadamente US$ 7,9 bilhões e passivos totais de aproximadamente US$ 4,7 bilhões, consolidados em 30 de setembro de 2005.

O consultor legal da Dana no processo de reorganização é Jones Day. O consultor financeiro é Miller Buckfire, e o consultor de reestruturação é AlixPartners.

Há mais informações disponíveis sobre os pedidos judiciais de reorganização da Dana no web site da empresa: http://www.dana.com/reorganization (em inglês).