Dana anuncia série de ações operacionais e estratégicas para melhorar desempenho financeiro

O conselho de diretores da Dana nos Estados Unidos aprovou ontem (20) uma série de ações operacionais e estratégicas para melhorar o desempenho financeiro da empresa, com as quais espera beneficiar-se a partir de 2006.

Este programa consiste nas seguintes etapas:

– foco nos produtos de Drivetrain (leves e pesados), Soluções Estruturais, Produtos de Vedação e Produtos Térmicos;
– venda de três negócios não-principais, cujos rendimentos anuais somam US$ 1,3 bilhão;
– reestruturação operacional em seus Grupos de Sistemas Automotivos e Tecnologias e Sistemas de Veículos Pesados;
– Aumento da eficiência do negócio, incluindo reduções da força de trabalho; e
– Redução dos custos com benefícios.

“Estas ações tornarão a Dana uma empresa mais rentável daqui em diante”, disse o Presidente e CEO Michael J. Burns. “Este é um período sem precedentes tanto para a Dana quanto para a indústria automotiva. Apesar de algumas dessas ações serem dolorosas, são vitais para reposicionar nossa companhia, acelerando a economia de custos e processos e melhorando o desempenho de nossa organização em todo o mundo.“

“Ao mesmo tempo, estas iniciativas fortalecem nosso objetivo de longo prazo que é capitalizar da melhor forma as potencialidades dos negócios que iremos manter e aumentar nossa presença nos principais mercados mundiais”, declara Burns. “A execução desta estratégia vai melhorar a performance para a Dana e para seus acionistas.”

Venda dos negócios não-principais

Com o objetivo de potencializar suas forças e assegurar níveis de rentabilidade aceitáveis, a Dana pretende reduzir sua linha de produtos com a venda de três negócios: componentes motor (anéis de pistão, comandos de válvula e bronzinas), sistemas de fluidos e bombas. Juntos, estes negócios empregam aproximadamente 9.800 pessoas em todo o mundo e representaram vendas de aproximadamente US$ 1,3 bilhão em 2004.

O negócio de componentes de motor consiste em 26 operações que fabricam anéis de pistão, comandos de válvula e bronzinas sob as marcas Perfect Circle®, Clevite® e Glacier Vandervell™. As vendas desses negócios totalizaram aproximadamente US$ 720 milhões em 2004. As operações de componentes de motor (anéis de pistão, comandos de válvulas e bronzinas) a serem vendidas empregam aproximadamente 5.300 pessoas em 10 países.

O negócio de produtos de fluidos possui 16 operações que fabricam produtos de fluidos para freios, direção hidráulica, HVAC e aplicações de combustível. As vendas combinadas deste negócio totalizaram aproximadamente US$ 470 milhões em 2004. As operações de produtos de fluidos a serem vendidas empregam aproximadamente 3.850 pessoas em seis países.

O negócio de bombas consiste em uma operação dedicada ao mercado original em Diadema (SP) e uma operação de bombas para o mercado de reposição em São Paulo (SP). As vendas desse negócio totalizaram aproximadamente US$ 80 milhões em 2004. As operações de bombas a serem vendidas empregam aproximadamente 650 pessoas.

A Dana espera incorrer em encargos de aproximadamente US$ 315 milhões, antes da dedução dos impostos, em 2005, para efetuar essas medidas.

“Embora não mais estejam nos planos da Dana, estas operações e as pessoas associadas a elas têm grande potencial para proprietários que estejam estrategicamente mais focados nestes segmentos de mercado”, diz Burns. “Esperamos usar os rendimentos destas vendas para reduzir o débito e reinvesti-los naqueles negócios que serão chaves ao crescimento rentável no futuro.”

Reestruturação operacional

A Dana vai fechar duas fábricas de seu Grupo de Sistemas Automotivos nos EUA e vai deslocar a produção em diversas outras operações para equilibrar a capacidade e beneficiar-se de locações com custos mais baixos:

– a fábrica de eixos diferenciais em Buena Vista, Virgínia (EUA), será fechada e sua produção consolidada em uma fábrica existente em Dry Ridge, Ky. A fábrica de Buena Vista emprega aproximadamente 275 pessoas.
– a fábrica de eixos cardans em Bristol, Virgínia (EUA), será fechada e sua produção consolidada em operações da Dana no México. A fábrica de Bristol emprega aproximadamente 270 pessoas.
– as linhas de montagem e componentes que atendem o negócio de eixos dianteiros em Lima, Ohio (EUA), serão transferidas também para operações da Dana no México. Aproximadamente 100 das 385 pessoas em Lima serão afetadas por esta mudança.

A Dana está assertivamente tomando as seguintes medidas para melhorar a eficiência, a logística e a produção em seu negócio de Veículos Comerciais. Neste momento, a Dana colocará em prática as seguintes ações para balancear a capacidade e aprimorar as eficiências de manufatura neste negócio:

– as atividades de serviço pós-venda na principal unidade de montagem de peças para veículos comerciais da Dana em Henderson, Ky., serão transferidas para uma operação de peças de serviço da Dana em Crossville, Tennessee (EUA);
– aumento das atividades de montagem na unidade da Dana em Monterrey, no México, para melhorar a produção na planta de Henderson (EUA);
– a produção de engrenagens será aumentada na operação da Dana em Toluca, no México, para aliviar os atuais fatores limitadores na principal fábrica de engrenagens para veículos comerciais em Glasgow, KY (EUA).

A Dana espera incorrer em encargos de US$ 9 milhões, antes da dedução dos impostos, no quarto trimestre de 2005, e terá despesas adicionais de US$ 21 milhões, antes da dedução dos impostos, em 2006 e em 2007, associados a estas ações operacionais de reestruturação. A companhia espera que o impacto destas ações em 2006 represente gasto líquido de aproximadamente US$ 8 milhões devido tanto ao tempo requerido para terminar as transferências e quanto ao reconhecimento de despesas adicionais relacionadas aos custos da separação e de transferências de equipamento. Entretanto, a partir do segundo semestre de 2007, a companhia espera começar a realizar uma economia anualizada de mais de $20 milhões, antes da dedução dos impostos.

“Juntas, estas ações operacionais resultarão em uma Dana ainda mais focada em seus negócios de produtos de drivetrain (leves e pesados), em estruturas associadas, em produtos de vedação e em produtos térmicos”, diz Burns. “Este novo foco na nossa linha de produtos vai nos ajudar a melhorar o atendimento aos mercados de veículos leves, veículos comerciais e fora-de-estrada em todo o mundo, junto com nosso extensivo alcance global e base de clientes diversificada, contribuirão para tornar a Dana cada vez mais competitiva”.

Aumento da eficiência do negócio

A Dana espera se beneficiar cada vez mais de seus programas de manufatura enxuta, engenharia de valor, qualidade e entrega, e nos outros processos. Muitos destes programas já estão implementados e os resultados incrementais devem melhorar a eficiência e a rentabilidade da companhia.

Além disso, a Dana planeja uma redução da força de trabalho em 5% (além das operações que serão vendidas ou fechadas) em 2006. Esta redução será realizada principalmente pela não reposição dos funcionários que se aposentarem ou que se desligarem da empresa. Com esta redução, a companhia espera economizar custos de mais de US$ 15 milhões antes do imposto em 2006.

Redução dos custos com benefícios

A Dana está dando início a mudanças seus programas de benefícios. A companhia vai eliminar o Plano de Compra de Ações por Funcionários, reduzir a parcela da empresa nos custos dos planos médicos nos EUA, suspender as contribuições aos programas de poupança de longo-prazo nos EUA e Canadá e tomar outras medidas adicionais para reduzir os custos com benefícios.

Com estas mudanças, a Dana espera gerar economias de mais de US$ 25 milhões antes do imposto em 2006. Além disso, a Dana suspendeu o aumento de salários em todo o mundo, seguindo às leis locais e exigências contratuais.

“Apesar de esses serem passos difíceis para as pessoas que trabalham na Dana, são essenciais se nós queremos manter e aumentar nossa presença em um mercado global que tem visto realidades mudadas para sempre”, diz Burns.

Impactos nos impostos

Além dos US$ 324 milhões dos encargos de 2005 mencionados acima, os custos para terminar as ações de reestruturação em 2006 e 2007 são estimados em US$ 21 milhões. Dos US$ 345 milhões de despesas totais previstas com estas ações, espera-se que a saída de dinheiro seja de US$ 27 milhões.