DANA adverte sobre os riscos da SUSPENSÃO REBAIXADA

A Dana, uma das maiores empresas mundiais no desenvolvimento e produção de sistemas automotivos, entre os quais conjuntos de suspensão Nakata, desaconselha o rebaixamento da suspensão, recurso ao qual muitos proprietários recorrem para dar ao veículo uma aparência mais esportiva.

A Engenharia da empresa adverte que o rebaixamento da suspensão constitui-se em ação ilegal, por ser considerada alteração das características originais do veículo. Na hipótese de o serviço ser realizado em um automóvel novo, fatalmente perderá a garantia de fábrica, mesmo se ocorrer um defeito de fabricação durante o período de garantia.

Outro inconveniente provocado pelo rebaixamento da suspensão é a redução da flexibilidade das molas (helicoidais ou semi-elípticas), o que compromete o nível de conforto, já que os efeitos provocados pelas irregularidades do piso são transmitidos para o interior do veículo. O curso (ação) de trabalho dos amortecedores também diminui, comprometendo a vida útil desse importante componente, criado para proporcionar conforto e segurança ao usuários.

Sobrecarga na suspensão e transmissão

A redução da altura de molas e amortecedores faz com que a suspensão e a transmissão passem a trabalhar com sobrecarga, o que compromete a sua vida útil, em consequência da mudança de cambagem não prevista no projeto do veículo. Também é comum a quebra de juntas homocinéticas, tanto as fixas quanto as deslizantes.

Com as condições adversas das ruas e estradas brasileiras, com buracos, lombadas e valetas, o risco mais sério é a possibilidade de trincas e rachaduras no monobloco, principalmente nas áreas próximas às torres dos amortecedores.