CAMPANHA DE SEGURANÇA PESSOAL

Como prevenir um assalto e saber mais sobre os métodos e ações que os ladrões costumam ter

Todos estamos expostos à questão da violência urbana, não é mesmo? Seja pela proximidade das áreas de risco ou pela quantidade de notícias que a TV e os jornais nos atiram diariamente. E o mais comum é deixar esse tema de lado, até o momento em que alguém próximo de nós, quando não nós mesmos, somos atingidos…
Poderíamos escolher ignorar o caso, mas achamos mais inteligente falar a respeito.
Aproveitamos os muitos materiais que recebemos pela internet, com dicas sobre como proceder nas situações de risco, e decidimos juntar, selecionar, editar e oferecer a você como recomendações, por meio do nosso Canal Dana.
São dicas simples, até mesmo óbvias, mas que podem fazer toda a diferença no momento certo.

Bom proveito.

Luciano Pires
Diretor de Comunicação Corporativa e Marketing
Dana Brasil

Segurança pessoal em áreas de alto risco: Regras para não se tornar (mais) uma vítima da violência

Quais são as principais ameaças?

– Seqüestro relâmpago
Com duração de 1 a 24 horas, geralmente para realizar saques e transações bancárias.

– Seqüestro com pedido de resgate.
Selecionado por status, nível hierárquico, tipo de carro, etc.

– Seqüestro com veículo
Para levar o carro. Qualquer veículo está sujeito, geralmente é feito por encomenda de ano, cor e modelo, para se utilizar as peças.

– Assalto à mão armada
Com conseqüências relacionadas a reação da vítima.

Ok. Mas e a prevenção?
Sabemos que NADA é 100% garantido, mas quando o assunto é Segurança, 90% é Prevenção, 5% é Reação e 5% é Sorte. Vamos atuar onde podemos fazer diferença, na prevenção. Em geral todo assalto conta com uma determinada preparação que consiste em:

1. Pré-Seleção do Alvo: Essa fase pode levar meses, dias ou apenas alguns segundos. É a fase em que o bandido irá escolher quem abordar.
2. Identificação do Alvo: O alvo foi escolhido. Geralmente o mais fraco, mais distraído ou com base no que o bandido procura (bolsa, modelo de carro, etc).
3. Vigilância: Período que o bandido avalia toda a situação antes do ataque (abordagem).
4. Planejamento: O bandido já tem tudo o que precisa, agora ele planeja como será o ataque (dia, hora, local, forma de abordagem, arma, etc).
5. Ataque: O bandido faz a abordagem. Nessa fase já não há como fazer prevenção. Temos menos de 5% de êxito nas ações de interrupção.

O melhor momento para interromper a ação do bandido é a fase da vigilância; o pior, a fase do ataque. Saiba mais sobre o agente amanhã, suas características e modo de agir.