AQUI TEM DANA: 100 Marcas do Rio Grande

Livro traz uma centena de marcas que continuam fazendo história no Rio Grande do SulA Dana é uma das empresas destacadas no livro “100 Marcas do Rio Grande: a história e os valores das marcas consagradas como ícones da identidade e da cultura empresarial gaúcha”. A publicação será lançada hoje, em evento, em Porto Alegre.

O livro apresenta as 100 marcas que se mantêm no coração dos gaúchos ao longo dos anos, colocando lado a lado as empresas que construíram um relacionamento duradouro com o consumidor. Em mais de 400 páginas, são apresentadas a trajetória e o valor das marcas gaúchas, identificando o perfil da empresa, seu histórico, o lugar que ocupa como referência em sua região de origem, e a evolução da sua identidade visual. Também são apresentadas as estratégias utilizadas pela empresa para torná-la uma lembrança recorrente entre seus consumidores – em um material que deverá se tornar referência para o ambiente empresarial e estudantes das áreas de administração, planejamento e marketing.

O livro “100 Marcas do Rio Grande” será distribuído para os setores público e privado, principais lideranças empresariais da Região Sul, além de formadores de opinião e bibliotecas das principais escolas de negócios, administração e marketing do Brasil. A tiragem é de 25 mil exemplares.

Precursora da indústria automobilística brasileira

No dia 10 de julho de 1947, nascia no Rio Grande do Sul a Albarus, hoje Dana. Fundada pelo imigrante alemão Ricardo Bruno Albarus, a então Albarus Cia. começou, antes mesmo da instalação das principais montadoras, durante os anos 50, como uma pequena oficina mecânica de precisão e, gradualmente, especializou-se na produção de peças para a crescente frota de veículos importados que circulavam pelo País.

Em 1948, para atender à solicitação de um cliente que desejava adquirir 1.000 cruzetas, a Albarus diversificou a sua linha de produtos e passou a fabricar o importante componente. A encomenda foi feita pela empresa Figueiras, de Porto Alegre, e tinha como destino o mercado de reposição de autopeças para os veículos utilitários da marca Jeep.

Pouco depois, a Ford “descobriria” a Albarus. O primeiro pedido da fabricante norte-americana mudou o destino da empresa e marcou o início da produção de cruzetas para as montadoras, ainda para o mercado de reposição, pois a indústria automotiva brasileira só se estabeleceria alguns anos depois, no final dos anos 50.

Em 1955, por uma sugestão da Ford, Ricardo Bruno Albarus aproximou-se da Dana Corporation – então Spicer Manufacturing Co., fabricante norte-americana de eixos cardans – em busca de novas tecnologias. Essa associação selou o início das atividades da Dana no Brasil e foi o primeiro investimento da companhia fora dos EUA. Em pouco tempo, a Dana assumiu o controle acionário da Albarus e constituiu-se, a partir dos anos 70, em um dos mais importantes fornecedores de autopeças para as montadoras de veículos instaladas no País. Presente há quase 67 anos no Brasil, a Dana tem operações em Gravataí (RS), Diadema e Sorocaba (SP), contando com 2.500 colaboradores.